Qual a importância da tipografia para o design gráfico?

tipografia

A importância da tipografia no design gráfico com letras é inegável. Ela é o seu principal elemento comunicador. Sua relevância é tão fundamental quanto as imagens, as cores, a diagramação e toda a identidade visual de uma marca.

Nas publicações de jornais, revistas e outros veículos de conteúdo escrito, o privilégio é concedido às palavras. Nesse caso, as imagens funcionam apenas como complemento.

A técnica da tipografia reinou mais de quatro séculos como principal meio de impressão nas mãos de tipógrafos. Isso desde a revolução da imprensa de Gutenberg, no século XV. A partir do desenvolvimento da computação gráfica, seu domínio se popularizou e está disponível a todos que queiram compor um texto e escolher sua fonte preferida.

Descubra, afinal, o que significa tipografia

Na definição do dicionário, “tipografia é a arte de imprimir os tipos” — fontes ou letras. O termo também se refere à formação de seu desenho e desdobramento em famílias inteiras. Isso inclui variações de altura, espessura e largura, além das versões em negrito, itálico e sublinhado.

Hoje, existe uma variedade incalculável de tipos à disposição dos designers e do público em geral. Além disso, é possível criar fontes para projetos específicos e modificar ou aperfeiçoar as já existentes. É uma prática muito comum no design gráfico com letras.

As fontes são, ainda, classificadas em alguns grupos básicos, como serifadas, sem serifa, cursivas, fantasia e display. Esses grupos, assim como vários outros, têm subclassificações, oferecendo uma grande variedade de estilos.

Saiba o que são fontes serifadas e sem serifa

As fontes serifadas contêm alongamentos ou “tracinhos” na ponta de seus caracteres. Esse recurso costuma passar a ideia de mais tradição e sobriedade. As fontes sem serifa, ou sans-serif, não apresentam esses traços a mais na ponta de suas linhas. Essa é a razão pela qual elas são vistas como fontes de mais modernidade e descontração.

No design gráfico com letras impresso, a serifa é tida como um elemento que facilita a leitura de longos textos. Nossos olhos leem com mais fluidez as linhas escritas com tais fontes. Porém, como são menores e menos espessas, elas não costumam ser muito bem lidas nas telas. Por isso são escolhidas geralmente as sem serifa em textos da Internet.

Escolha fontes para design gráfico com letras

Um trabalho gráfico benfeito requer a escolha da fonte certa para o conceito do projeto a desenvolver. Cada tipo exibe características essenciais para determinados trabalhos, sejam eles apenas escritos, sejam acompanhados de ilustrações. Por isso, é necessário obedecer a alguns critérios.

As fontes têm o formato daquilo que pretendem comunicar: carregam expressões peculiares e se caracterizam pela sensação que transmitem. No entanto, a busca do estilo ideal para cada projeto é muito subjetiva.

Da mesma forma, a interpretação da mensagem embutida no tipo também depende de diversos fatores. Esses podem ser culturais, psicológicos, sociais e muitos outros inerentes a cada pessoa.

Portanto, o entendimento do seu significado também está sujeito ao receptor da ideia. É preciso considerar o conteúdo do texto e o teor da mensagem. Além de sua relação com todos os elementos gráficos envolvidos no projeto e o público que se pretende atingir.

Em um design gráfico com letras como editorações de livros, por exemplo, fontes clássicas passam a noção de livros antigos. Tipos mais modernos podem ser aplicados em capas de revista. Textos ou anúncios mais ousados costumam ter fontes “display”, com os mesmos atributos do conceito escolhido.

É perceptível a variedade de interpretações que se pode atribuir a um simples conjunto de “letras” na composição de um texto. As fontes podem cumprir seu papel de comunicar ideias escritas e, simultaneamente, ter formas relacionadas com o conceito do texto.

Esse arranjo dispensa o uso de desenhos para representar um logotipo, por exemplo. Afinal, a própria fonte é construída com apoio em um conceito específico. Um exemplo muito conhecido disso é o logotipo da Coca-Cola.

Veja como escolher a fonte ideal para cada caso

Na escolha das fontes para design gráfico com letras, comece pensando na adequação com o objetivo e mensagens do projeto. Antes de pesquisar fontes em um computador ou na Internet, liste uma série de atributos e conceitos ligados àquele design. Dessa forma, ao escolher, você já terá referências do que precisa estar associado às fontes selecionadas.

Isso faz toda a diferença, pois as famílias tipográficas apresentam cada uma um conceito e perfil específicos, que podem ser de mais seriedade, modernidade, elegância ou descontração, por exemplo. Analise o que uma fonte comunica a você e veja se a ideia “conversa” com o projeto.

Caso os atributos transmitidos por uma fonte não se encaixem às mensagens do design, o receptor não se atrairá por elas. Quando escolhemos uma fonte, não é difícil nos perdermos diante de muitas opções tão diversas. Porém, cuidado para não deixar que seu gosto pessoal se transforme em uma barreira. Considere sempre o público que lerá o texto.

Confira quais são as tipografias mais utilizadas

fontes-mais-comuns Qual a importância da tipografia para o design gráfico?

Com toda a tecnologia disponível atualmente, os designers tipográficos criam os mais variados estilos de fontes o tempo todo. Muitas seguem os padrões técnicos corretos e se firmam como boas referências para o uso profissional. Ao mesmo tempo, outras não são tão qualificadas para aplicações no mercado de trabalho.

Cabe a cada diagramador ou designer gráfico a missão de compreender o que é adequado (ou não) para cada situação. Mas mesmo com tantas possibilidades de escolha à disposição, algumas fontes ocupam lugares especiais no cotidiano dos designers e diagramadores. Além de serem fontes padrão em todos os computadores.

Podemos citar exemplos das fontes mais utilizadas no design gráfico com letras. A Helvética talvez seja a campeã. Porém, ela chegou a se tornar “batida”, de tão empregada. Portanto, considere esse fator ao escolher. A fonte Trajan também é extremamente usada, por exemplo, em cartazes de filmes, ou nos assuntos que pedem algum classicismo no layout.

Outra fonte bastante popular é a Garamond, muito utilizada inclusive por quem não é designer. Ela tem serifas, sendo boa para textos maiores. É o caso dos livros, das revistas ou mesmo de textos da Internet. Mas atenção: nesse último caso, devem ser programadas outras fontes como opção. Algumas pessoas podem não tê-la instalada.

Podemos citar ainda outras entre as mais populares. É o caso da bela família de fontes Futura. Ou a Script Pro, a Bodoni ou a Frutiger. Todas elas trazem características bem peculiares e transmitem sensações bem específicas.

Também ficam entre as fontes mais comuns outras opções interessantes, como a Gill Sans, a Avant Garde, Rockwell, Franklin Gothic, Gotham ou a Bembo. É quase infinita a lista que se pode escolher para um projeto. Portanto, faça muita pesquisa antes de definir a que você usará.

Conforme ficou demonstrado, a tipografia tem uma grande importância na elaboração do design gráfico com letras. Ela facilita a apreensão da leitura e o entendimento de símbolos e mensagens. Seu uso feito com competência pode até imortalizar algumas marcas e ideias. Por isso, ao criar um layout, dê o devido valor à escolha adequada de fontes.

Gostou de conhecer mais sobre o mundo do design? Esperamos que sim! Confira ainda três dicas para escolher as tipografias ideais.

Conforme ficou demonstrado, a tipografia tem uma grande importância na elaboração de trabalhos gráficos. Facilita a apreensão da leitura e o entendimento de símbolos e mensagens. Seu uso feito com competência pode até imortalizar algumas marcas e ideias.

E então, você costuma usar a tipografia como elemento de design no seu dia a dia? Compartilhe com seus amigos nas redes sociais!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *