Design de sinalização: 6 regras que precisam ser seguidas.

Design de sinalização
Powered by Rock Convert

Ao contrário do que muita gente acha, o design de sinalização não consiste somente na criação de meras placas. Projetos de sinalização são bem-sucedidos quando pensados junto ao planejamento de arquitetura do local. Assim, o designer deve realizar um trabalho conjunto com arquitetos e engenheiros. Porém, na realidade, isso dificilmente acontece.

Muitas organizações nem ao menos tomam a atitude de investir na sinalização dos ambientes. Isso é lembrado depois, quando percebem a urgência e colocam placas distribuídas pela empresa sem a devida atenção.

Com a sinalização correta, as pessoas se sentem seguras e tranquilas no local em questão. Então, confira algumas regras essenciais que devem ser seguidas!

1. Conheça a verdadeira função do design de sinalização

Placas, adesivos e outros elementos da sinalização consistem em ferramentas usadas com o intuito de transmitir informações essenciais aos profissionais. Elas comunicam, por exemplo, a espécie de trabalho que é desenvolvida em determinado ambiente. Ao mesmo tempo, a sinalização informa sobre os possíveis riscos relacionados às atividades ali executadas.

As placas que compõem o design de sinalização não têm objetivos decorativos. Elas também não podem conter quaisquer dados que não sejam diretamente associados aos propósitos aos quais se direcionam.

Se algum dispositivo apresenta pontos de alta temperatura, por exemplo, demanda que placas sejam inseridas naqueles locais. Elas informarão sobre riscos de queimaduras de forma direta, seguindo também as cores estipuladas pelas normas de sinalização.

O objetivo de uma placa desse tipo é essencialmente o ato de prevenir. Afinal, ela passa informações sobre acidentes. Não se trata, portanto, de reparar procedimentos que apresentam irregularidades em relação à segurança.

2. Saiba a importância das normas e padrões das placas

As empresas não estão autorizadas a determinar os padrões, cores ou formatos de suas placas de design de sinalização. Isso não depende de suas normas internas. Devem ser seguidos os padrões nacionais do setor, estabelecidos de acordo com regras internacionais.

Assim, é possível que funcionários estrangeiros, trabalhando no Brasil e que não leem nosso idioma, reconheçam as placas. Não haverá qualquer impedimento para que eles compreendam e identifiquem pelo menos a essência de seu conteúdo. E isso vale para todo tipo de ambiente de trabalho: industrial, comercial, escritórios, entre outros.

Em nosso país, os padrões de cores definidos para o design de sinalização estão contidos na norma NR-26. Já os regulamentos que estabelecem modelos para variados elementos visuais de segurança a serem incluídos nas placas estão na NBR 7195. Adiante, abordaremos com mais detalhes essas normas e o que elas determinam.

3. Veja por que toda empresa deve seguir essas normas

Esses tipos de sinalizações são obrigatórios para qualquer espécie de organização. Normalmente, destacam-se ainda mais no setor industrial, pois suas atividades geralmente apresentam maior risco a quem ali trabalha. Entretanto, lembramos que toda empresa terá alguns riscos relacionados às suas atividades.

Podemos citar, entre outros exemplos, o habitual escritório empresarial. Por mais que não existam equipamentos cortantes e temperaturas extremas no local, ainda existem riscos, como choques elétricos ou quedas. Assim, esses locais também pedem o uso do design de sinalização regulamentado e eficaz.

Em escritórios, ainda podem ocorrer danos em razão de lesões por esforços repetitivos, derivadas da digitação. Nossas colunas e pescoços também estão sujeitos a alguns males decorrentes de má postura. Como podemos perceber, todas as empresas, em algum nível, mesmo que mínimo, apresentam riscos a seus colaboradores. Para evitar qualquer acidente, deve-se sinalizar corretamente.

4. Conheça melhor o que são as normas de sinalização

Como dissemos acima, as duas principais normas regulamentadoras desse tema no Brasil são a NR-26 e a NBR 7195. Elas determinam todo tipo de regra para placas contendo design de sinalização no país. Vejamos mais detalhadamente o que elas estabelecem.

A norma NR-26 foi criada e divulgada inicialmente no ano de 1978. A atualização mais recente dela é de 2015. São regras que definem as cores a serem usadas em cada tipo de ambiente profissional. Ela também contempla a sinalização utilizada em rótulos de produtos com os quais os funcionários lidam em suas rotinas.

Um dos melhores exemplos da aplicação da NR-26 é o padrão de cores em tubos expostos em empresas. Cada um deles deve ser colorido segundo as regras determinadas pela norma. Essa é uma obrigação básica para a boa aplicação do design de sinalização.

Os extintores, ou tubos de incêndio, precisam ser feitos em metal e sempre devem ser vermelhos. Os de água potável precisam ter cores diferentes, assim como os que transportam combustível ou gás. Por exemplo: é totalmente proibido e incorreto o uso de cores similares para tubos com elementos químicos e os que contêm água.

A NR-26 estabelece também o padrão para rotulagem por meio de material sinalizador, pictograma e formatos de elementos sinalizadores. Já a NBR 7195 trata basicamente de cores. Sua meta é fixar tons que devem ser aplicados para prevenir acidentes, com a ajuda da identificação e advertência contra qualquer risco.

5. Confira o significado das cores básicas da sinalização

Verifique, de forma sucinta, o que comunicam as cores determinadas pela NBR 7195:

  • vermelho: para a proteção e o combate aos incêndios, ou para paradas obrigatórias;
  • laranja: significa “perigo”, é utilizada geralmente nas partes móveis dos equipamentos;
  • amarelo: significa “cuidado”, exigindo atenção total do funcionário durante as atividades;
  • verde: significa “segurança”, é aplicada, por exemplo, em materiais de primeiros socorros;
  • azul: alerta sobre ações obrigatórias, como no caso do uso de EPI (Equipamento de Proteção Individual);
  • púrpura: significa que há riscos de contaminação nuclear e irradiações eletromagnéticas;
  • branco: comunica sobre a circulação das pessoas em locais de travessia ou passarelas, por exemplo;
  • preto: sinaliza locais para a coleta de material residual, com exceção daqueles destinados à saúde.

6. Verifique também a OHSAS 18001 e sua função

Existe uma norma mundial, a OHSAS 18001, utilizada para certificar os sistemas gestores de saúde e segurança no trabalho. É importante também seu conhecimento para a aplicação de um bom design de sinalização. Em seu setor, a OHSAS 18001 é a norma mais utilizada em todo o mundo.

Trata-se de uma série de regras operacionais que têm o intuito de otimizar a segurança em determinadas operações. Ela baseia-se nas outras normas aqui citadas, ajudando a definir como são fixadas as placas.

Criar e aplicar o design de sinalização de forma correta, segundo a regulamentação oficial, é fundamental. Quando isso é feito com cuidado, desde o início do projeto arquitetônico, a eficácia é bem maior. Em consequência, sua empresa caminhará no sentido certo!

Você agora já conhece muito mais sobre sinalização e entende como criar um bom design nesse segmento. Agora, aproveite e inspire-se com nossas dicas e exemplos de placas de sinalização eficientes!

identidade visualPowered by Rock Convert

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This