preto composto

Preto composto: veja a maneira correta de trabalhar com o preto no CMYK.

Provavelmente você já ouviu falar nos termos preto puro, preto composto e preto calçado. Como é possível perceber, existem diversas maneiras de se obter a cor preta. No entanto, trabalhar com determinadas composições pode impactar diretamente na qualidade do seu impresso. Vamos entender agora o que significa cada um deles.

Preto puro

A maneira mais simples de se compor a cor preta, é utilizá-la em sua forma pura, ou seja, trabalhar apenas com a composição 100% preto, sem a necessidade de utilizar mais de uma cor primária.

Essa composição é ideal para trabalhar em textos, linhas e objetos finos ou pequenos. A porcentagem de cada cor deverá ser composta da seguinte maneira:

preto puro
Preto puro

Preto composto

O preto composto é quando utilizamos mais de uma cor entre as cores primárias para compor o preto, por exemplo:

preto-composto
Preto composto

O objetivo de utilizar essa composição, é para obter um preto mais forte e vívido. No entanto, quando trabalhamos com essa composição, estamos utilizando uma carga de 400% de tinta, que poderá resultar no famoso decalque, ou seja, transferência de tinta da frente para o verso do impresso.

Trabalhar com essa composição para se obter o preto mais forte, é completamente inseguro e não há como garantir que não haja decalque de um impresso para o outro. Por este motivo, não indicamos a utilização desta composição.

Também devemos nos atentar para a cor preta quando aplicada em imagens. Quando muito carregadas, as imagens também são favoráveis ao decalque por possuírem carga de tinta em excesso. Neste caso, a utilização de softwares como o Photoshop, poderá auxiliar no tratamento e adequação dessa imagem.

Preto calçado

Assim como o preto composto, quando falamos em preto calçado, também significa que será acrescido uma determinada porcentagem de outras cores primária para formar o preto, com objetivo de deixá-lo mais forte. No entanto, por ser uma combinação de baixa porcentagem de tinta, essa composição não interfere na qualidade do material impresso.
Cada gráfica trabalha com uma composição de preto diferente. Sempre verifique com a sua gráfica parceira, qual composição eles utilizam para fazer o preto calçado.
Na Gráfica KWG, fazemos o preto calçado com a seguinte composição:

Preto calçado
Preto calçado

Essa composição é o suficiente para se obter uma cor preta mais forte e é indicada apenas para fundos chapados, sem a necessidade de utilizá-la em fontes ou objetos.

E então, dúvidas esclarecidas? Esperamos muito ter ajudado. Se ainda ficou alguma dúvida, comente aqui embaixo. Agora que você já sabe quais são as melhores práticas para trabalhar com o preto composto, que tal dar uma olhada no nosso artigo sobre checklist para fechamento de arquivo ?

 

produto gráfico

Comments (10)

  1. Estive estudando um tempo atrás sobre o calçamento do preto, pra ter um preto mais ‘intenso’. Algumas gráficas recomendam calçar com 30% de ciano, ou outras porcentagens.
    O problema é que esse tipo de calçamento, inclusive este de 25% de ciano e magenta, não cria só um preto intenso, mas muda a tonalidade do preto. Neste caso o preto ficaria puxado para o roxo.
    A explicação mais lógica, e inclusive visualmente, encontrei num fórun gringo (não achei o link), em que se dizia que, para ter um preto perfeito, teríamos que, com as 3 cores (ciano magenta e amarelo), criar um tom de cinza, para aí sim sobrepor ao preto. E após muita discussão no fórum alguém apareceu com uma fórmula que muitos depois confirmaram ser excelente, que é C40/M30/Y27/K100.
    Se criar um objeto no Corel e colocar as cores C40, M30 e Y27, verá que temos realmente um CINZA, que sobrepondo ao preto traria um preto intenso perfeito. Que tal tentar?

    1. Bem observado, Reginaldo! O preto calçado precisa ter a mistura de K+CMY pra não alterar a tonalidade, no entanto é preciso tomar cuidado com a carga de tinta para não causar decalque. A composição que vc citou tem 197% de tinta, dependendo do tipo de papel e gramatura pode ocorrer decalque.
      Como em papel jornal, por exemplo, ele suporta uma carga baixa de tinta.

      1. Muito boa argumentação Adriano! A gramatura e o tipo do papel impactam diretamente na porcentagem de tinta que cada substrato suporta. É importante considerarmos esses dois fatores na hora de trabalharmos na composição das cores.

        Obrigado por também compartilhar os seus conhecimentos conosco e nossos leitores, e enriquecer o nosso blog 😉

        Abraço,
        Equipe KWG

    2. Olá Reginaldo! Muito construtivo o seu comentário.
      Não chegamos a testar essa composição que você indicou, mas já iremos colocar em máquina e depois voltamos para compartilhar as nossas considerações.

      O que podemos afirmar é que por não existir um padrão universal, cada gráfica acaba trabalhando com a composição que confere melhor resultado em suas impressões, considerando que, esses resultados estão diretamente relacionados a fatores de calibragem de máquina, tinta, tipo e gramatura de papel, tempo de secagem dos materiais, entre outros.

      Depois de diversos testes aqui na KWG, chegamos a conclusão de que a composição que melhor representou o preto mais intenso, sem prejudicar a qualidade dos impressos, foi a: C:25% M:25% Y:0% e K: 100%. Mas isso não impede o cliente de tentar alguma outra combinação de cores que melhor lhe agrade. É importante apenas atentar-se para não utilizar uma composição muito carregada no CMY, para não comprometer o resultado final do impresso com possíveis decalques ou manchas.

      Obrigado por compartilhar conosco os seus conhecimentos 😉

      Abraço!
      Equipe KWG

        1. Ei Gilmar, testamos sim!
          Em nosso teste fizemos uma arte com as seguintes composições:
          C:0 M:0 Y:0 K:100
          C:25 M:25 Y:0 K:100
          C:40 M:40 Y:0 K:100
          C:40 M:30 Y:27 K:100

          Resultado:
          Todas as composições ficaram muito próximas, até mesmo a C:0 M:0 Y:0 K:100. Porém como nós, profissionais gráficos temos um olhar minucioso, conseguimos identificar pequenas diferenças nas tonalidades.

          Como esperado, de fato a composição que apresentou o preto mais intenso foi a C:40 M:30 Y:27 K:100.

          A composição que mais se aproximou da C:40 M:30 Y:27 K:100, foi a C:40 M:40 Y:0 K:100, que também apresentou um preto bastante intenso.

          Mesmo tendo resultados positivos com este teste, dentro de nosso método de trabalho necessitamos de maior agilidade nas impressões, evitando assim problemas como decalques, manchas, ou outros problemas derivados de uma alta carga de tinta. Por isso ainda recomendamos a composição C:25 M:25 Y:0 K:100 que nos traz bons resultados sem que corramos nenhum risco de problemas relacionados a carga de tinta.

          Um abraço!

          1. Ei, Weslley! Tudo joia?

            O teste foi realizado no papel Couché 300g/m² sem aplicação de verniz UV total.

            Qualquer dúvida conte conosco!

            Um grande abraço 😉
            E continue nos acompanhando.

            Att. Equipe KWG

    1. Ei Patricia!!! Que bom começar o ano com uma nova seguidora! Seja muito bem-vinda e aproveite todas as nossas dicas e materiais gratuitos 😀
      Abraço!
      Equipe KWG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This